Foto:Rodrigo BarbosaA Comissão de Assuntos Municipais e Regionalização recebeu ontem documento assinado por 15 entidades, que reivindicam a expansão da Estação Ecológica de Fechos, na Serra da Moeda. O pedido foi entregue pelo integrante do movimento Fechos Eu Cuido e da organização Primatas da Montanha, Ricardo Luiz Moebus, durante audiência pública sobre o assunto. As organizações alegam que a preservação da estação ecológica é fundamental para a manutenção da qualidade das águas que abastecem o sul da Capital e parte de Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH).

A expansão da unidade de conservação é prevista no Projeto de Lei (PL) 3.512/12, do deputado Fred Costa (PEN), que amplia a área do local em 269 hectares. A proposição aguarda análise da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Ricardo Moebus também entregou à comissão o mapeamento das áreas do entorno, para ajudar a definir os limites da expansão. O integrante do movimento de Fechos chamou a estação de “faixa de Gaza de conflitos” entre ambientalistas, especulação imobiliária e mineradoras.

Também empenhada na expansão, a presidente da Associação para Recuperação da Serra da Moeda, Simone Botrel, disse que gostaria de entender o motivo pelo qual o PL 3.512/12 está parado na CCJ, para que a sociedade civil possa ajudar na tramitação.

A conselheira do Subcomitê de Bacias Hidrográficas Águas da Moeda e coordenadora do Instituto Cresce, Camila Alterthum, também pediu agilidade na apreciação da matéria.

Fred Costa, que requereu Fechosa audiência pública, ressaltou que a Estação Ecológica de Fechos é uma preocupação recorrente, em virtude do descaso com que é tratada. De acordo com o parlamentar, isso põe em risco a fauna local e mananciais de água, o que poderia provocar escassez no abastecimento de Nova Lima e Belo Horizonte.

Unidade abastece população de 140

O superintendente de Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Copasa, Tales Heliodoro Viana, informou que a Estação Ecológica de Fechos abastece 140 mil pessoas na região Sul de Belo Horizonte e em Nova Lima. “Fechos é fundamental porque possui água de qualidade”, destacou. A Copasa é Viresponsável por 602,9 hectares da estação, que tem 1.078 hectares no total.

Outros problemas, como despejo de lixo, invasão e risco de incêndio, foram mencionados pelo superintendente de Produção e Tratamento de Água da Copasa, Nélson Cunha Guimarães.

Segundo ele, a empresa faz um trabalho de educação ambiental no entorno, porque está sempre buscando proteger essas áreas, as quais são atingidas, ainda, por conflitos de uso e especulação imobiliária.

O gerente da Estação Ecológica de Fechos, Marcus Vimilnícius de Freitas, defendeu a preservação da unidade, seja por ampliação ou por mudança na categoria de manejo.

O deputado Paulo Lamac (PT) salientou a importância do debate, já que todos os impactos de mudanças na unidade se fariam sentir nos municípios vizinhos.


Assembleia Informa
Foto: Ricardo Barbosa