Sinopse: Quatro importantes lideranças indígenas brasileiras, Ailton Krenak, Álvaro Tukano, Biraci Yawanawa (deletar Biraci Yawanawa) e Benki Ashaninka, se reunirão para dar voz e vida, em uma adaptação livre do mais tradicional texto do movimento indígena ameríndio, a Carta do Cacique Seattle. Sobre discurso proferido pelo grande chefe em 1854, verdadeiro manifesto poético-político inspirador, as lideranças pretendem reviver na atualidade a importância da mensagem dos saberes e tradições indígenas para a presente crise civilizatória ocidental, retomando os temas preservacionistas a partir de suas próprias experiências culturais, incluindo suas canções tradicionais em seus quatro idiomas. Com direção de Ricardo Moebus, a apresentação pretende ser não uma representação, mas um acontecimento para superar os estereótipos do indígena brasileiro, e revelar o apelo desses setecentos mil que restam dos 6 milhões que aqui viviam.

 

AILTON KRENAK


Ailton Krenak:Liderança do panindigenismo brasileiro, participou da Comissão de Direitos Humanos Indígenas, Núcleo de Direitos Indígenas, Encontro Brasileiro de Direito Indígenas, União das Nações Indígenas (UNI), Aliança dos Povos da Floresta, Rede Povos da Floresta. Em 1988 representou a causa indígena na Assembléia Nacional Constituinte. Nos anos noventa foi realizador de festivais nacionais de cultura indígena.

 

Alvaro Tukano


Álvaro Tukano:Liderança dos povos do Alto Rio Negro, denunciou o etnocídio no Brasil no tribunal Bertrand Russel em Rotterdam, participou do União das Nações indígenas, do projeto Corredores Digitais indígenas, de subcomissão de direitos humanos da ONU.  

 

Benki Ashaninka


Benki Ashaninka:Liderança dos povos Ashaninka do Rio Amônia, prêmio nacional de direitos humanos em 2004, prêmio Direitos Humanos em Weimar.

 

 


 Galeria de Fotos

 

 

Por Gustavo Passos - 30/09/2012

 

A reciclagem e o reaproveitamento de resíduos orgânicos têm um impacto importante e significativo para a solução de problemas ambientais.

 

Reciclando nós podemos reduzir a exploração de recursos naturais, evitando as emissões associadas à fabricação de matérias-primas, eliminando etapas do processo produtivo original e reduz a disposição final dos aterros, pelo reaproveitamento do que antes era resíduo, reduzindo também os custos da destinação de lixo.

 

Dentre os processos de reciclagem, os resíduos orgânicos podem sofrer o processo de compostagem.

 

Naturalmente, tanto o acondicionamento e o transporte exigem cuidados devido ao peso do material, à umidade e o fato de ser perecível. A avaliação da situação (localização do local de coleta, quantidade gerada, freqüência, espaço disponível) é necessária para viabilizar a coleta, transporte e destinação.

 

Os resíduos de restaurantes geram 0,5 kg de restos de alimentos ao dia/pessoa, em média, considerando restos de pré-preparo, as sobras limpas (alimentos não consumidos) e as sobras no prato. O destino habitual desses restos, como cascas de frutas, legumes, saladas, caroços, restos de preparação de carne, peixe e frango, ossos, pó de café, casca de ovo etc, é o saco de lixo encaminhado ao aterro sanitário ou aos lixões sem controle.

 

Um exemplo é um restaurante com 1000 colaboradores que utilizam restaurante industrial gera, em média, 500 kg de restos de alimentos por dia, o que representa 240 toneladas de restos de alimentos por ano, que poderiam ser reciclados com a compostagem.

 

Essa quantidade de resíduos, adequadamente compostada, poderá gerar até 100 toneladas de composto, que poderia ser usado em dezenas de hectares ou milhares de mudas, reduzindo o consumo dos adubos e fertilizantes convencionais, que é tanto econômico como ambientalmente dispendioso.

 

Vejo que cada vez mais aumenta a receptividade e disposição de empresários por soluções ambientais. A compostagem reduz significativamente as remessas de resíduos para aterros, e gera um reaproveitamento dos restos de alimentos.

 

Devido ao baixo valor de produtos gerados através da reciclagem orgânica, a estrutura de empresas recicladoras é muito simples.

 

Com poucas ou quase inexistentes alternativas para a destinação dos resíduos orgânicos, o empresário da alimentação nem se atina para esta solução, pois tem outras mais “importantes” para resolver.

 

Mas, com a pressão de organizações, empresas e da sociedade para atitudes sustentáveis por causa dos impactos evidentes como as alterações climáticas. Nos próximos anos, não há como fugir destes processos por causa dessas razões. 

 

A ONG Primo realiza coleta, transporte e compostagem dos resíduos orgânicos de padaria e restaurantes no bairro Vale do Sol em Nova Lima – MG. O destino final do produto, que é um maravilhoso substrato (composto) é uma horta comunitária administrada pela própria ONG. Além dos resíduos dos restaurantes, a Primo recolhe nas ruas do condomínio Pasargada, folhas e podas realizadas nas casas e que são colocadas nos passeios para um caminhão levar para algum aterro.

Os participantes desta ação são o Restaurante Soleil e o Adega Pampulha que se localizam na Quinta Avenida – Vale do Sol.

 

Com consciência e criatividade podemos mudar o destino desse rico resíduo, beneficiando o meio ambiente. 

{artsexylightbox autoGenerateThumbs="true" path="images/phocagallery/mostra_profissionais" previewWidth="100"}{/artsexylightbox}

O minhocário construído por Gustavo Passos, integrante da PRIMO, é um mecanismo prático e de fácil manejo.

Nos formatos de 60, 36 ou 15 litros, o minhocário pode ser utilizado em residências, escolas, restaurantes e espaços públicos.

Adquira este sistema de reciclagem de resíduos orgânicos e transforme restos de alimentos em adubo de ótima qualidade.

Valores:
60L = 280,00
36L = 220,00
15L= 120,00

Contato para mais informações: 31-8524-7809

 

Vídeo explicativo:

 

Manual:

"Quando as aves falam com as pedras e as rãs com as águas- é de poesia que estão falando."

Poemas do Manoel de Barros recitados pelo poeta e pelo ator Pedro Paulo Rangel.


Manoel De Barros - Apendice


Manoel De Barros - Caderno De Apontamentos (XXVI)


Manoel De Barros - Mundo Pequeno


Manoel De Barros - O Livro Das Ignorancas (I, II, II, IV, V, VI, XII, XIII)


Manoel De Barros - O Livro Das Ignorancas (VII)


Manoel De Barros - O Livro Das Ignorancas (XIX), Mundo Pequeno (VII), Auto-retrato


Manoel De Barros - O Livro Sobre O Nada (III, IX, X, XI, XIII, XIV)


Manoel De Barros - Retrato do Artista Quando Coisa (I, II)


Manoel De Barros - Seis Ou Treze Coisas Que Aprendi Sozinho


Manoel De Barros e Pedro Paulo Rangel - Palavras